Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ex-presidente guatemalteco Otto Pérez, na Cidade da Guatemala, no dia 8 de setembro de 2015

(afp_tickers)

A Justiça guatemalteca autorizou o embargo de seis propriedades rurais do ex-presidente da Guatemala Otto Pérez, que está detido, como parte da investigação contra ele por um escândalo de corrupção que lhe custou o cargo - informou uma fonte judicial.

"Foi ordenado o embargo de seis propriedades rurais" do ex-governante no departamento indígena de Chimaltenango (oeste), disse à imprensa o juiz de Extinção de Domínio, Marco Antonio Villeda, acrescentando que também foi congelada uma conta bancária de cerca de US$ 180 mil em nome de uma empresa que seria ligada a Pérez.

O embargo desses bens se soma ao bloqueio judicial de outros US$ 640 mil depositados em contas em nome do ex-presidente.

Pérez está preso em um quartel no centro da capital, depois que a Justiça abriu um processo penal contra ele por sua suposta participação em uma rede que cobrava suborno de empresários para a sonegação de impostos. O esquema seria liderado por Pérez.

Depois de renunciar em 2 de setembro, Pérez tentou, na semana passada, recuperar os fundos, alegando que precisava pagar advogados e outros gastos. O pedido foi rejeitado pela Justiça.

General da reserva de 64 anos, Pérez é apontado como um dos chefes de uma rede chamada "La Línea", que cobrava suborno de empresários para sonegar impostos. A quadrilha foi descoberta em abril passado pelo Ministério Público e pela Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, do sistema ONU.

AFP