Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Duas pessoas saem do Tribunal de Justiça da União Europeia, em Luxemburgo, em 5 de outubro de 2015

(afp_tickers)

A venda de reprodutores para assistir gratuitamente na televisão filmes disponíveis ilegalmente na internet "pode ​​constituir uma violação dos direitos autorais", estimou nesta quarta-feira o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE).

A justiça europeia responde, assim, a uma questão de um tribunal da Holanda, que deve decidir se solicita ao proprietário do reprodutor "Filmspeler" que deixe de comercializá-lo e de oferecer links com acesso ilegal a obras protegidas.

A denúncia na Holanda foi apresentada por uma fundação de proteção dos direitos autorais.

Jack Frederik Wullems vende na internet um leitor multimídia que, conectado à televisão, permite através de um software de código aberto reproduzir gratuitamente conteúdos publicados em sites, seja com a autorização dos titulares dos direitos autorais ou sem ela.

Além disso, o vendedor faz isso "com pleno conhecimento das consequências do seu comportamento" e a publicidade do reprodutor ressalta que o aparelho permite "ver gratuita e facilmente, em uma tela de televisão, material audiovisual disponível na internet sem a autorização" de seus titulares, afirma o tribunal.

"O comprador de tal reprodutor acessa de maneira deliberada e com conhecimento de causa uma oferta gratuita e não autorizada de obras protegidas", estimam os juízes, que enfatizam o impacto destas reproduções nos interesses de seus proprietários.

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

AFP