Navigation

Keiko Fujimori se nega a depor em caso Odebrecht

Keiko Fujimori, que nega as acusações, garantiu que não dará declarações ao procurador Pérez, alegando que ele perdeu a objetividade. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 18. março 2019 - 22:24
(AFP)

A líder da oposição peruana, Keiko Fujimori, mantida em uma prisão em Lima há cinco meses, se recusou nesta segunda-feira a testemunhar perante a promotoria no âmbito da investigação por suposta lavagem de dinheiro da brasileira Odebrecht.

"É seu direito permanecer em silêncio ou abster-se de fazer uma declaração, e deve-se respeitar isso", disse o procurador anticorrupção José Domingo Pérez a repórteres após deixar a prisão feminina onde Fujimori cumpre 36 meses em prisão preventiva.

O procurador encontrou dificuldades para deixar o local. Os apoiadores fujimoristas atacaram-no jogando garrafas plásticas vazias. A escolta policial evitou que ele fosse atingido.

Pérez tinha programado interrogar na prisão a filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000) sobre os supostos aportes ilegais da Odebrecht à sua campanha presidencial.

Keiko Fujimori, que nega as acusações, garantiu que não dará declarações ao procurador Pérez, alegando que ele perdeu a objetividade.

"Depois de viver na própria carne abusos e excessos, produto da ausência de justiça, tomei a decisão de fazer valer meu direito de silenciar diante do procurador que, no meu caso, perdeu totalmente a objetividade", afirmou em sua conta do Twitter.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.