Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O ator Kevin Spacey

(afp_tickers)

Kevin Spacey foi alvo de uma nova denúncia de abuso sexual. Um ator afirmou, sob anonimato, que o astro de Hollywood, caído em desgraça, tentou violentá-lo quando ele tinha 15 anos.

Em uma longa entrevista à revista Vulture, o homem descreve como, aos 12 anos, conheceu Spacey, então com 22, em um curso de teatro e que dois anos depois o encontrou durante um festival em Nova York e começaram uma relação.

Na época, o jovem tinha 14 ano e, segundo relatou, tudo estava bem até que um dia em seu apartamento o ator tentou violentá-lo, mas com força conseguiu afastá-lo.

O site da CNN informou que a produção da série "House of Cards", do Netflix, chamou de "tóxico" o ambiente no set por um padrão de assédio de sexual de Spacey, hoje com 58 anos.

Oito funcionários da série afirmaram, de modo reservado, que o ator, vencedor de dois Oscar, tinha um comportamento "predador", que incluía contato não consensual e comentários brutos, dirigidos geralmente contra homens jovens.

Um ex-assistente de produção afirmou que foi vítima de uma tentativa de estupro durante as filmagens de uma das primeiras temporadas.

O Netflix e a produtora da série suspenderam esta semana a produção da sexta e última temporada, prevista para 2018, para "revisar a situação atual e abordar qualquer preocupação" no set.

Spacey está no olho do furacão desde que o ator Anthony Rapp, de 46 anos, o acusou de tentativa de agressão sexual quando tinha apenas 14 anos.

Outras acusações foram apresentadas pelo diretor Tony Montana, o ator mexicano Roberto Cavazos e um ex-funcionário do teatro londrino Old Vic.

Um porta-voz do ator afirmou à imprensa que Spacey estava à procura de tratamento.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP