Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente argentina Cristina Kirchner, em Buenos Aires, no dia 1º de março de 2015

(afp_tickers)

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, espera não precisar voltar a se candidatar em 2019, disse nesta terça-feira, a seis meses de concluir seu segundo e último mandato.

"Eu espero que não precisem de mim em 2019, porque isso significaria que depois de mim veio alguém que tornou as coisas melhores e que o país não vai precisar de mim nem de ninguém. Esse é o país que eu quero", afirmou Kirchner em um ato transmitido em rede nacional.

Cristina Kirchner está na etapa final de seu segundo mandato, antes das eleições gerais de 25 de outubro. A Constituição argentina só autoriza dois mandatos presidenciais consecutivos.

A Argentina é governada desde 2003 pelo mesmo projeto político, encarnado primeiro por Néstor Kirchner (2003-2007) e depois por sua viúva, Cristina Kirchner (2007-2015).

O governo não conta com um herdeiro político e a seis meses das eleições, Kirchner não se pronunciou sobre nenhum dos vários pré-candidatos para ocupar a presidência, entre eles o governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, e o ministro do Interior, Florencio Randazzo.

Nos últimos dias, Máximo Kirchner, filho mais velho da presidente (38 anos) e fundador e líder de La Cámpora (movimento de jovens peronistas de esquerda) se somou à cena eleitoral. Em uma entrevista, Máximo não descartou ser candidato e seus aliados o apontam como um aspirante a deputado pela província de Buenos Aires.

AFP