Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente argentina Cristina Kirchner é vista em 29 de julho de 2014, em Caracas

(afp_tickers)

Em sua primeira mensagem à nação após o país ser considerado em "default" parcial, a presidente argentina, Cristina Kirchner, comparou a ação dos fundos especulativos nos Estados Unidos a "mísseis financeiros que também causam danos" a civis, como na guerra.

Cristina também voltou a ignorar o status de "default".

"Vivemos em um mundo profundamente injusto e profundamente violento e isso também é violência, porque os mísseis... Como na guerra... Quando os mísseis são financeiros também matam e causam danos a civis", disse a presidente, em um ato na Casa de Governo em Buenos Aires.

Em meio a uma grande expectativa pela entrada em "default" parcial da terceira economia da América Latina na quarta-feira, Kirchner defendeu a postura de seu governo de não reconhecer o calote.

"Impedir que alguém pague não é default", alegou Kirchner.

Ontem, venceu o prazo para o pagamento de US$ 539 milhões de bônus - "que a Argentina pagou", reiterou a presidente, repetindo as palavras de seu ministro da Economia, Axel Kicillof.

Os fundos não chegaram aos credores, porém, por causa de uma decisão judicial.

Em função disso, a agência de classificação de risco Standard & Poor's rebaixou a nota da dívida argentina para "default seletivo", que implica o descumprimento de pagamento de uma parte da dívida. E, nesta quinta, em decisão similar, a agência Fitch determinou "default parcial".

"A todos os argentinos, quero que fiquem muito tranquilos, porque a Argentina vai utilizar todos os instrumentos legais que nos dão os nossos próprios contratos firmados com 92,4% dos credores", os quais aceitaram negociar a dívida, acrescentou a presidente, em rede nacional.

AFP