Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Voluntárias na Arena Mordovia, em Saransk

(afp_tickers)

As russas são livres para tomar suas próprias decisões: o Kremlin respondeu de maneira sucinta às polêmicas declarações de uma deputada russa, que aconselhou as mulheres do país a não terem relações sexuais com estrangeiros que viajaram para a Copa do Mundo.

"No que diz respeito às mulheres russas, elas decidirão por si mesmas como se comportar com os torcedores que estão no país", declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, em entrevista coletiva, antes de afirmar que as russas "são as melhores mulheres do mundo".

Na quarta-feira, Tamara Pletneva, deputada comunista da Duma, a Câmara Baixa do Parlamento, afirmou que as mulheres do país não deveriam fazer sexo com os estrangeiros para evitar que se tornem mães solteiras.

Ela citou como exemplo os Jogos Olímpicos de Moscou-1980, alegando que na época muitas russas engravidaram após relações com estrangeiros.

Pletneva disse que as mulheres que ficam grávidas de homens que depois abandonam o país "sofrem muito".

"Se eles são de uma raça diferente, é fatal ", disse, uma frase que provocou grande polêmica.

O porta-voz do Kremlin rejeitou as acusações de que a Rússia é um país racista e disse que "todo os países trocam acusações de racismo e de homofobia".

"Estas acusações não têm nada a ver com a Copa do Mundo, Ontem, Putin destacou que o futebol está, e permanecerá, fora da política", declarou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP