Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente eleito do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, e Keiko Fujimori, em Piura, Peru, no dia 21 de maio de 2016

(afp_tickers)

O presidente eleito do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, admitiu nesta segunda-feira aproximações entre sua equipe e a da poderosa força opositora fujimorista, um dia depois de nomear o chefe de seu gabinete, que buscará consensos para governar o país após disputadas eleições.

"Existem sinais (de aproximações). Têm acontecido reuniões com a líder (Keiko Fujimori), mas não comigo, e sim com as equipes", disse Kuczynski em uma breve conversa telefônica com a AFP.

No domingo, anunciou que o economista e ex-ministro de Economia, Fernando Zavala, irá liderar seu gabinete de ministros a partir de 28 de julho, quando assumirá a presidência. A designação de Zavala como presidente do Conselho de Ministros era segredo até então.

"Temos que falar, os dois, com todas as forças políticas e sobretudo com a Força Popular (fujimorismo, direita) e a Frente Ampla (esquerda)", explicou o presidente eleito, em referência às duas bancadas com maiores presença no Congresso, além do governo.

O apoio do fujimorismo será fundamental para que Kuczynski consiga as reformas necessárias para manter o ritmo de crescimento do PIB peruano, um dos pontos altos da economia da região, assim como para combater a crescente insegurança dos cidadãos, a maior preocupação do povo. Neste dois aspectos, planeja solicitar permissões extraordinárias para legislar e agilizar as medidas.

Em um sinal de que manterá o alinhamento econômico no país, Pedro Pablo Kuczynski anunciou que o atual presidente do Banco Central, Julio Velarde, continuará na função.

Mal ganhou as eleições, ele confirmou o ex-economista do Banco Mundial e do JP, Morgan Alfredo Thorne, como ministro da Economia. "Estamos muito adiantados, na sexta-feira anunciaremos todo o gabinete", afirmou.

Entre as medidas anunciadas estão a diminuição do imposto às vendas de 18% para 15% progressivamente e menores impostos para pequenas e microempresas, que concentra 70% da força de trabalho do país, assim como a criação de 3 milhões de empregos.

"Na parte econômica, para que os efeitos (das medidas) percorram toda a economia levará entre um e dois anos (...) Espero que lembrem de mim como a pessoa que, espero, introduziu o Peru na modernidade", acrescentou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP