Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem divulgada pela Welayat Raqa em 30 de junho mostra, supostamente, jihadistas do EI na cidade síria de Raqa

(afp_tickers)

O exército libanês, que combate há quatro dias os jihadistas perto da fronteira com a Síria, cobraram nesta terça-feira o fornecimento de armas francesas para o Líbano como parte de um acordo que conta com o financiamento saudita.

"Na batalha atual, necessitamos de equipamentos, materiais e tecnologia", declarou à AFP o chefe do exército libanês, o general Jean Kahwahji.

"Precisamos acelerar a entrega de ajuda militar, completando as listas de armas encomendadas da França, como parte do acordo de financiamento saudita e da Conferência de Roma", afirmou.

A Arábia Saudita havia prometido em dezembro doas 3 bilhões ao exército libanês para a compra de armas da França, fornecendo, assim, "a ajuda mais importante na história do Líbano e do Exército libanês", segundo o presidente libanês, Michel Sleiman.

Em meados de junho, durante uma conferência em Roma, "a comunidade internacional assegurou as forças armadas libanesas (que poderiam contar) com seu apoio" e prometeu treinamento "para melhor combater o terrorismo e as consequências da crise na Síria".

A França declarou nesta terça-feira estar disposta a "responder rapidamente às necessidades do Líbano".

"Estamos em estreito contato com os nossos parceiros para responder rapidamente às necessidades do Líbano", indicou um porta-voz do ministério francês das Relações Exteriores, Vincent Floreani. "A França está plenamente empenhada em apoiar o exército libanês", garantiu.

Por sua parte, Sleiman afirmou que o rei Abdullah da Arábia Saudita havia expressado sua intenção "de acelerar a implementação da assistência ao exército libanês".

Pelo menos 16 soldados libaneses, incluindo dois oficiais, e dezenas de combatentes jihadistas morreram nos combates iniciados no sábado em Aarsal, uma cidade sunita no norte do Líbano, na fronteira com a Síria. Além disso, 22 soldados e 20 policiais estão desaparecidos.

AFP