Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O suposto líder do grupo extremista EI, Abú Bakr al Bagdadi, em um fotograma de vídeo propaganda divulgado no dia 5 de julho de 2014 por Al-Furqan Media, da organização extremista

(afp_tickers)

O líder do grupo Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, convocou seus combatentes no Iraque e na Síria a "resistir" a seus inimigos, em uma gravação atribuída a ele e difundida nesta quinta-feira.

"Os chefes do Estado Islâmico e seus soldados se deram conta de que para obter a graça de Deus e a vitória precisam ser pacientes e resistir diante dos infiéis, sejam quais forem suas alianças", afirmou o líder do EI nessa declaração cuja data não foi informada.

Ele também convoca seus partidários a multiplicarem os ataques, em particular contra "os centros midiáticos" dos países que lutam contra seu grupo.

Os Estados Unidos informaram que estão fazendo verificações na gravação e destacaram que não há razões para duvidar de sua autenticidade.

O áudio foi divulgado pela Al-Furqan, a "produtora" do EI que distribui as gravações e vídeos da organização extremista islâmica mais temida do mundo.

"O que importa não é o número, o equipamento e a força" dos adversários, garante o chefe do EI, dado como morto várias vezes desde a ascensão fulgurante do grupo em 2014, embora esses rumores não tenham sido confirmados.

"Seguiremos (presentes), demostraremos ser resistentes e pacientes (...) Não cederemos, embora nos matem, nos prendam e apesar de nossas feridas", clamou o chefe do EI.

Ele pediu aos "soldados do califado e aos heróis do Islã" que continuem com a "Jihad" (guerra santa) e seus ataques. "Os Cruzados não têm que viver em paz, enquanto vossos irmãos são assassinados e bombardeados".

Bagdadi incentivou-os a "tomar como alvo os centros midiáticos dos infiéis", sem dar maiores detalhes.

O líder do EI voltou a ameaçar as "nações infiéis e, em primeiro lugar, os Estados Unidos, a Rússia e o Irã", que conduzem com seus aliados ofensivas contra o grupo ultrarradical, infligindo uma série de derrotas na Síria e no vizinho Iraque.

Também falou das derrotas de seu grupo ao mencionar "o sangue derramado em Mossul, Sirte, Raqa, Ramadi e Hama".

A última manifestação de Abu Bakr al-Baghdadi transmitida por um veículo de comunicação afiliado ao seu grupo data de novembro de 2016.

Na ocasião, ele saiu de um ano de silêncio para exortar, também em áudio, seus homens a resistir até o martírio à ofensiva das forças iraquianas lançada em outubro para recuperar o controle da grande cidade de Mossul.

Em 16 de junho, a Rússia declarou que provavelmente havia matado Abu Bakr al-Baghdadi em um ataque aéreo no final de maio perto da cidade síria de Raqa. Contudo, indicou que continuava a investigar a informação.

O líder do EI teria deixado Mossul no início de 2017, provavelmente na direção da fronteira com a Síria. Os Estados Unidos ofereceram 25 milhões de dólares por sua captura.

Seus seguidores o chamam de "fantasma", em razão de suas raríssimas aparições.

Foi em Mossul que ele fez sua única aparição pública conhecida, em julho de 2014, na mesquita Al-Nuri, destruída em junho com seu minarete pelo EI.

Usando turbante e uma vestimenta preta, barba grisalha, ele havia pedido a todos os muçulmanos que lhe jurassem lealdade depois de ter sido designado à frente do califado proclamado por seu grupo nos territórios conquistados no Iraque e na vizinha Síria.

Hoje, seu "califado", criado em 2014, vacila diante das ofensivas militares, mas seu grupo mantém uma grande capacidade de organizar ataques sangrentos em todo o mundo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP