Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Julio Borges

(afp_tickers)

O líder do Parlamento da Venezuela (de maioria opositora), Julio Borges, considerou nesta terça-feira que a qualificação de "ditadura" dada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, ao governo de Nicolás Maduro mostra que a comunidade internacional apoia uma mudança no país sul-americano.

"O mundo inteiro quer uma mudança: hoje o presidente da França, o senhor Macron, disse que na Venezuela não há democracia, que na Venezuela há uma ditadura", declarou em coletiva Borges, que vinculou as palavras de Macron com o repúdio à Assembleia Constituinte impulsionada por Maduro e que rege o país como um poder absoluto.

"O Vaticano, a União Europeia e toda a América Latina não apenas condenam a Constituinte, mas dizem claramente que não reconhecem a Constituinte", acrescentou.

Macron, em seu primeiro discurso sobre política externa a embaixadores franceses, qualificou o governo de Maduro como uma "ditadura" que "tenta se perpetuar a um preço humanitário sem precedentes e radicalizações ideológicas preocupantes".

Borges é acusado por Maduro e funcionários de alto escalão do governo de promover sanções dos Estados Unidos contra a Venezuela, depois que na sexta-feira um decreto da administração de Donald Trump proibiu negociar a dívida emitida pela Venezuela e sua petroleira estatal PDVSA.

Nesse mesmo dia, Maduro, que denuncia a medida como "um bloqueio financeiro", pediu a abertura de um julgamento por "traição à pátria" contra Borges e outros líderes opositores, por viagens que fizeram ao exterior em busca de apoio.

Mas "o único culpado [pelas sanções] está em frente ao espelho de Nicolás Maduro", expressou o líder do Legislativo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP