Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder do Parlamento venezuelano, Julio Borges, em Caracas, em 29 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O presidente do Parlamento venezuelano, Julio Borges, enviou uma carta ao papa Francisco solicitando que pressione para que o governo de Nicolás Maduro autorize doações de alimentos e medicamentos, em meio à grave escassez.

"A realidade nos obriga a dirigir-nos ao senhor com o propósito de incentivá-lo a fazer um pedido urgente à abertura imediata do canal humanitário", para receber comida e medicamentos, indica a mensagem.

Borges pediu ainda ao sumo pontífice que solicite o "fim da perseguição política" contra opositores e que se respeitem os direitos humanos, segundo a carta enviada em 28 de agosto, mas divulgada nesta quinta-feira.

"A cada semana quatro crianças morrem por desnutrição, o índice de escassez de medicamentos ultrapassa 90% e milhões de venezolanos cruzam nossas fronteiras fugindo da tragédia", acrescenta o chefe do Parlamento, de maioria opositora.

O deputado lamentou que as doações enviadas à Venezuela nos últimos meses por organizações como a Cáritas Chile não tenham sido aceitas pelo governo de Maduro.

Segundo a assessoria de imprensa de Borges, a carta foi enviada no contexto da visita que será feita por Francisco à Colômbia a partir da próxima quarta-feira, para promover a reconciliação nesse país, onde o governo e a guerrilha das Farc assinaram um acordo de paz.

O pontífice ficará no país até o dia 10 de setembro e visitará quatro cidades, onde oficiará missas, pronunciará discursos e se reunirá com vítimas e atores do conflito interno.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP