Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O grande mufti da Arábia Saudita, Abdel Aziz al-Sheikh

(afp_tickers)

O grande mufti da Arábia Saudita, Abdel Aziz al-Sheikh, criticou duramente nesta terça-feira os jihadistas do Estado Islâmico (EI) e da Al-Qaeda, que chamou de "inimigos número um do islã".

"As ideias de extremismo, radicalismo e terrorismo não têm nada a ver com o islã e seus autores são o inimigo número um do islã", afirma o mufti em um comunicado que cita o EI, presente no Iraque e na Síria, e a Al-Qaeda.

"Os muçulmanos são as principais vítimas deste extremismo, como demonstram os crimes cometidos pelo suposto EI, Al-Qaeda e os grupos vinculados a eles", acrescentou, citando um versículo do Corão que pede a morte para os autores de atos prejudiciais ao Islã.

A Arábia Saudita é um país sunita que aplica uma versão rigorosa do islamismo e abriga os dois lugares santos do Islã.

AFP