AFP

Foto cedida pelo Palácio Real Saudita em 24 de abril de 2017 mostra o rei Salman, em Riad

(afp_tickers)

O rei Salman da Arábia Saudita convidou muitos dirigentes, como o rei Abdullah da Jordânia, os presidentes argelino, Abdelaziz Buteflika, e nigerino, Mahamadu Isufu, a participar de uma cúpula com o presidente americano, Donald Trump.

A cúpula será realizada durante a visita de Trump à Arábia Saudita nos dias 20 e 21 de maio, segundo autoridades sauditas.

Frequentemente acusado de atiçar a islamofobia, o presidente americano terá a chance de esclarecer sua política a respeito do mundo muçulmano.

A visita será marcada por reuniões entre Trump e dirigentes de países árabes do Golfo, assim como a encontros bilaterais, indicou recentemente o ministro saudita das Relações Exteriores, Adel Al Khubeir.

Além dos chefes de Estado de Jordânia, Argélia e Níger, a Arábia Saudita convidou à cúpula os dirigentes iemenitas, Abd Rabo Mansur Hadi, e o rei Mohamed VI do Marrocos, segundo a agência oficial saudita SPA.

Os líderes turco, paquistanês, iraquiano e tunisiano também foram convidados, reportou nesta quarta-feira o jornal Arab News.

Nenhuma autoridade iraniana figura entre os convidados, já que Riad e Teerã não têm relações diplomáticas desde janeiro de 2016, em um contexto de forte rivalidade entre as duas potências, sunita e xiita, respectivamente.

A Arábia Saudita será o primeiro país que Trump visitará desde sua posse, em janeiro.

"É uma mensagem clara ao mundo de que os Estados Unidos e os mundos árabe e muçulmano podem se associar", declarou Khubeir em uma visita recente a Washington, segundo a SPA.

AFP

 AFP