Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Março) O presidente do PT, Rui Falcão (c), discursa em um seminário sobre a Lava Jato em São Paulo

(afp_tickers)

Três anos após a polícia irromper em um posto de gasolina seguindo a pista de operações ilegais de câmbio, a operação "Lava Jato" se tornou um dos maiores escândalos de corrupção da História, com ramificações em dezenas de países.

Com base em delações premiadas de ex-executivos de empreiteiras, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou nesta terça-feira (11) a abertura de investigações contra nove ministros do governo de Michel Temer, 29 senadores, 40 deputados e três governadores.

Este processo histórico alcança os presidentes da Câmara de Deputados e do Senado e quatro ex-presidentes: o hoje senador Fernando Collor, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso.

- O que se investiga? -

Os crimes recorrentes são corrupção passiva e ativa, crimes contra o sistema financeiro, formação de organização criminosa e lavagem de dinheiro.

O esquema envolveu "empresas que se enriqueciam às custas do Estado, diretores da Petrobras que vendiam favores, lavadores profissionais de dinheiro que pagavam subornos e políticos e partidos que sustentavam diretores da Petrobras em troca de dinheiro para si, ou para financiar suas campanhas".

As construtoras se "cartelizaram" para eliminar a concorrência em obras da Petrobras e agiram em conluio com os diretores da estatal, os quais eram, por sua vez, designados por políticos. Parte do dinheiro das obras superfaturadas era transformada em suborno para políticos e partidos.

Operadores do mercado de câmbio administravam os pagamentos e lavavam o dinheiro do esquema.

- Quem e como? -

O processo tramita em três âmbitos:

1) Na primeira instância, onde se destaca o juiz Sérgio Moro, são investigados ex-políticos, diretores da Petrobras, empresários e operadores que não gozam de foro privilegiado. As condenações proferidas já somam 1.300 anos de prisão.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é acusado por procuradores de ser o "comandante" do esquema espetacular, pelo qual Marcelo Odebrecht, presidente da empreiteira de mesmo nome, foi condenado a 20 anos de prisão.

As principais empresas envolvidas no escândalo são Odebrecht, Techint, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Skanska, Queiroz Galvão, Engevix, SETAL e Galvão Engenharia.

2) O STF julgará os envolvidos com foro privilegiado. As investigações e as denúncias neste nível são realizadas exclusivamente pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Até o momento, o STF já aceitou denúncias contra a senadora Gleisi Hoffmann e o deputado Vander Loubet, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT); o deputado Nelson Meurer, do Partido Progressista (PP); o senador Valdir Raupp (PMDB) e Eduardo Cunha (PMDB), cujo caso passou à primeira instância após a perda de mandato.

No final de março, Cunha - ex-presidente da Câmara dos Deputados - foi condenado a 15 anos e 4 meses de prisão por corrupção.

3) O Superior Tribunal de Justiça (STJ) instrui as causas de funcionários regionais, como governadores e integrantes dos tribunais de contas, e analisa as apelações das instâncias inferiores.

- O rombo -

Uma avaliação da Polícia Federal revela que o prejuízo total com a fraude chega a 42 bilhões de reais, apenas no Brasil.

A Justiça pediu o ressarcimento de 38,1 bilhões de reais e busca recuperar 3,95 bilhões de ativos desviados: 756 milhões estão em fase de repatriação, e 3,2 bi foram bloqueados judicialmente.

- As delações -

Boa parte do sucesso da "Lava Jato" se deve às chamadas "delações premiadas", que permitem aos investigados reduzir suas penas em troca de informações sobre o esquema criminoso.

As delações permitiram desvendar o megaesquema de corrupção, entendendo a rede hierárquica, precisando as datas, contas, encontros e reuniões envolvendo políticos, operadores e diretores da Petrobras, como o ex-gerente de Serviços Pedro Barusco, que devolveu quase 300 milhões de reais desviados da empresa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP