Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Tim Murphy, candidato republicano contra o aborto

(afp_tickers)

O republicano Tim Murphy, um legislador anti-aborto que foi preso tentando convencer sua amante a pôr fim à gravidez, anunciou nesta quinta-feira que renuncia ao cargo no Congresso dos Estados Unidos.

A medida foi adotada um dia depois de ter anunciado que não tentaria se reeleger em novembro de 2018.

"Esta tarde recebi uma carta de renúncia do deputado Tim Murphy, efetiva a partir de 21 de outubro", informou o presidente da Câmara de Representantes, Paul Ryan, em um comunicado. "Foi decisão do Dr. Murphy passar ao capítulo seguinte de sua vida, e eu o apoio", acrescentou.

Murphy, legislador da Pensilvânia por oito mandatos, é popular entre os membros do movimento "pró-vida", e recentemente patrocinou o projeto de lei que criminaliza a maioria dos abortos depois das 20 semanas de gestação.

As críticas a Murphy surgiram quando o jornal Pittsburgh Post-Gazette publicou um artigo sobre seu estridente escândalo sexual, justo quando a Câmara votou o projeto.

Murphy, de 65 anos, reconheceu no mês passado que teve um romance extramatrimonial com Shannon Edwards, uma psicóloga que trabalhou com ele em uma lei sobre saúde mental.

Na terça-feira, o Gazette informou que Edwards enviou uma mensagem de texto a Murphy em janeiro no qual o recriminou por uma declaração anti-aborto em sua conta de Facebook.

"Você ão tem nenhum problema em publicar a sua postura pró-vida por todos os lados quando você não hesitou em me pedir para abortar o nosso filho na semana passada", escreveu Edwards sobre um aparente falsa alarme de gravidez, segundo o Gazette.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP