Navigation

Legisladores criticam estratégia dos EUA sobre Venezuela

Grupo de partidários do líder opositor venezuelano Juan Guaido protesta em Caracas no dia 4 de março de 2019. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. março 2019 - 02:00
(AFP)

Um grupo de 16 legisladores democratas, incluindo a representante Alexandria Ocasio Cortez, enviou nesta quinta-feira uma carta ao secretário de Estado, Mike Pompeo, criticando a estratégia dos Estados Unidos diante da crise na Venezuela, especialmente as sanções impostas pelo governo de Donald Trump.

"Escrevemos a ele para expressar nossa mais profunda preocupação com a maneira como o governo de Trump está administrando as relações com a Venezuela, especialmente as insinuações de uma intervenção militar, a imposição de amplas sanções unilaterais e o recente reconhecimento do líder da oposição".

Segundo congressistas, as recentes sanções poderão "exacerbar a grave crise econômica que abala o país, provocando um imenso sofrimento aos mais vulneráveis, que não têm qualquer responsabilidade" pelos acontecimentos.

Os Estados Unidos reconheceram como presidente da Venezuela o líder opositor Juan Guaidó, chefe do Parlamento, sendo seguido por mais de 50 países, em detrimento de Nicolás Maduro, reeleito no ano passado em eleições questionadas.

O grupo de legisladores destacou que condena com firmeza as ações do governo Maduro, citando a repressão policial e militar, a crise política e econômica, o assassinato de manifestantes desarmados e as irregularidades nas eleições, além do bloqueio da ajuda humanitária.

"Os Estados Unidos estão sós em sua decisão de impor sanções econômicas contra o governo da Venezuela (...) que prejudicam a população civil".

A carta é assinada por Pramila Jayapal, Mark Pocan, Raul Grijalva, Henry C. "Hank" Johnson, Adriano Espaillat, Ilhan Omar, Rashida Tlaib, Alexandria Ocasio-Cortez, Ayanna Pressley, Nydia M. Velázquez, José E. Serrano, Tulsi Gabbard, Karen Bass, Danny K. Davis, Jan Schakowsky e Ro Khanna.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.