Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O líder opositor venezuelano Leopoldo López escoltado pela Guarda Nacional depois de entregar-se às autoridades em 18 de fevereiro de 2014 em Caracas

(afp_tickers)

O líder opositor venezuelano Leopoldo López, condenado a quase 14 anos de prisão, alertou nesta quinta-feira para a possibilidade de sofrer um atentado na prisão, e responsabilizou o governo da Venezuela pelo que possa ocorrer.

"Alerto a Venezuela e o mundo que qualquer atentado contra minha integridade pessoal é da responsabilidade de (presidente) Nicolás Maduro e seus jagunços", disse López em uma mensagem no Twitter.

Lilian Tintori, mulher do dirigente, revelou mais cedo, em Madri, que López tem medo de ser envenenado na prisão militar de Ramo Verde, na região de Caracas, onde está isolado dos demais presos.

López, 44 anos, cumpre pena de 13 anos, nove meses e sete dias na prisão militar por incitar a violência durante os protestos contra o governo de Nicolás Maduro, que deixaram 43 mortos e centenas de feridos entre janeiro e maio de 2014.

Economista de 44 anos com mestrado em Harvard, Lopez foi o principal promotor da estrategia conhecida como "La Salida", que tentou derrubar Maduro por meio da pressão nas ruas.

AFP