Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Edward Snowden conversa com membro do Parlamento Europeu por videoconferência, em 24 de junho de 2014, sobre o sistema de vigilância americano.

(afp_tickers)

A vigilância em grande escala realizada pelos serviços de inteligência americanos afeta a liberdade de imprensa e a democracia, denuncia um relatório divulgado nesta segunda-feira pela maior organização de direitos civis nos Estados Unidos.

O estudo da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) e da ONG Human Rights Watch foi feito por meio de entrevistas com 92 jornalistas, advogados e funcionários governamentais.

A pesquisa conclui que os programas de vigilância criados pelos Estados Unidos com o objetivo de evitar atentados afetaram a liberdade de imprensa, o direito do público à informação e o direito de obter uma ajuda jurídica.

"O trabalho dos jornalistas e dos advogados está no coração de nossa democracia", enfatizou o autor do documento, Alex Sinha. "Quando seu trabalho se vê afetado, nós também somos afetados", acrescentou.

"Os Estados Unidos se apresentam como modelo da liberdade e do comércio, mas seus próprios programas de vigilância ameaçam os valores que acreditam defender", destacou Sinha.

Segundo os jornalistas consultados, os vazamentos de Edward Snowden - que no ano passado soaram o alerta para a espionagem de telefones e comunicações na internet por parte da Agência Nacional de Segurança (NSA) americana - provocaram temor entre as fontes de informações que agora pensam duas vezes antes de fornecê-las à imprensa.

Cada vez mais, os jornalistas utilizam técnicas elaboradas para codificar suas mensagens e alguns apenas se comunicam por telefones pré-pagos e evitam o uso da internet.

"Houve oito casos penais contra fontes (durante o governo de Barack Obama) contra três anteriores, e isso não passou despercebido entre nós e nossas fontes", explicou Charlie Savage, do New York Times e ganhador de um prêmio Pulitzer.

Um grupo de 42 advogados - criminalistas e de direito civil - também descrevem um ambiente cada vez mais desfavorável à confidencialidade. Alguns advogados dizem usar técnicas similares as dos jornalistas para evitar a espionagem na Internet.

"Me enfurece pensar que devo agir como um traficante de drogas para proteger a privacidade de meus clientes", lamenta um advogado interrogado pela ACLU.

AFP