AFP

Funcionários da ONU negociam para obter a libertação dos integrantes da Monusco

(afp_tickers)

Ex-rebeldes do Sudão do Sul libertaram um grupo de 16 integrantes da ONU que haviam retido na República Democrática do Congo, informou nesta terça-feira um funcionário das Nações Unidas.

Os membros da missão da ONU na RDC (Monusco) foram retidos mais cedo nesta terça-feira no campo de refugiados de Munigi, próximo à Goma, no leste do país.

"Podemos confirmar que os 16 integrantes da Monusco retidos em um campo de ex-combatentes em Munigi foram libertados", disse o funcionário, sem dar detalhes sobre os reféns.

"O campo está tranquilo e sob completo controle da Monusco. Todo o pessoal regressou são e salvo a seus lares".

Ao menos 530 ex-rebeldes do Sudão do Sul vivem no campo de Munigi, nos arredores de Goma, após escaparem cruzando a fronteira quando explodiram os combates em Juba - capital do Sudão do Sul - em julho.

Os combatentes, que estavam desarmados quando chegaram ao campo, pediram durante meses para ser realocados, mas a ONU não encontra países que os aceitem.

O líder rebelde Reik Machar permanece na África do Sul e não foi autorizado a retornar ao Sudão do Sul.

Após obter a independência do Sudão em 2011, o Sudão do Sul mergulhou em uma guerra interna, em dezembro de 2013, na qual morreram dezenas de milhares de pessoas.

AFP

 AFP