Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Vista da Basílica de São Pedro, no Vaticano

(afp_tickers)

Um livro investigativo lançado na Itália nesta quinta-feira (9) revela as tentativas infrutíferas de um jovem de denunciar os abusos sexuais sofridos por um colega de quarto menor de idade, pensionista no coração do Vaticano.

Em "Pecado original", o jornalista italiano Gianluigi Nuzzi dá seguimento a sua investigação nos bastidores do Vaticano, apoiando-se em documentos.

Absolvido pela Justiça do Vaticano em 2016 no caso que ficou conhecido como "Vatileaks 2", após inúmeros "vazamentos" de documentos publicados por ele, o jornalista se especializou no passado sulfuroso do banco do Vaticano e nas resistências internas às reformas impulsionadas por Bento XVI e Francisco.

Em seu quarto trabalho, concentra-se na persistente lei do silêncio vigente dentro da Igreja: em um palácio do Vaticano, um seminarista importante teria abusado sexualmente de pelo menos um estudante do ensino médio com 17, ou 18 anos em 2011 - 2012, sob os olhos de uma testemunha.

A testemunha, o polonês Kamil Tadeusz Jarzembowksi, residia então em uma instituição instalada na Cidade do Vaticano, que abrigava crianças e adolescentes de todo mundo dispostos a se tornarem padres.

Os pensionistas frequentam uma escola particular no centro de Roma e participam, como "meninos do coro", das missas celebradas na Basílica de São Pedro.

Kamil morou na residência dos 13 aos 18 anos, até 2014, mas diz que foi expulso antes de terminar o colégio depois de alertar as autoridades eclesiásticas e do Vaticano sobre o crime que presenciou.

- Longa carta ao papa -

Segundo ele, um ex-aluno autorizado a permanecer no palácio visitava o local várias vezes durante a noite - totalizando pelo menos até 140 "visitas" - para ter relações sexuais com seu colega de quarto, com então 17-18 anos, que "se sentia obrigado a ceder às exigências" do suposto agressor.

Com a confiança do bispo reitor do lugar, o jovem exercia "uma forma de poder e de intimidação" sobre os mais jovens, impondo "bullying, ou atos sexuais", diz Kamil no livro de Nuzzi.

"Não culpo esses sacerdotes por serem homossexuais", declara o polonês, que hoje estuda a história da arte e se diz gay.

"Tudo isso é uma grande hipocrisia: durante o dia, essas pessoas são homofóbicas; à noite, se soltam em boates gays", aponta.

Em uma conversa por e-mail publicada como um apêndice do livro, a vítima agradece a Kamil "por falar" em seu lugar, dizendo que não teria forças para fazê-lo por si mesmo.

O livro também publica a longa carta que o estudante polonês enviou ao papa Francisco para explicar a situação.

"Duas outras testemunhas" confirmaram as acusações de Kamil, assegurou Nuzzi nesta quinta-feira diante da imprensa, enfatizando que o seminarista em questão foi recentemente ordenado padre.

Questionado pela AFP, o serviço de imprensa do Vaticano ainda não indicou se uma investigação foi aberta.

O livro também trata do desaparecimento em 1983, ainda não resolvido, de uma jovem mulher, Emmanuela Orlandi, cidadã do Estado do Vaticano e filha de um funcionário do pequeno Estado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP