Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(FILES) This file photo taken on September 26, 2016, shows (Arquivo) Foto tirada em 26 de setembro de 2016 mostra Donald Trump (D) e seu filho Donald Trump Jr., em Hempstead, Nova York

(afp_tickers)

O lobista russo-americano que participou na reunião com o filho mais velho de Donald Trump, seu genro e uma advogada russa que teria informação comprometedora sobre Hillary Clinton negou nesta sexta-feira trabalhar para agências de inteligência russas.

Rinat Akhmetshin, um lobista de Washington com dupla-nacionalidade, acompanhou a advogada russa Natalia Veselnitskaia à reunião celebrada em junho de 2016.

Diversos veículos afirmaram que Akhmetshin era um ex-agente soviético de quem alguns funcionários do governo americano suspeitavam que tinha vínculos atuais com a inteligência russa.

O homem negou as acusações, garantindo à AFP que os comentários eram "maldosamente falsos" e que "nunca" trabalhou para qualquer serviço russo.

A presença do lobista na reunião revelada no sábado passado era desconhecida até agora.

Os participantes do encontro na Trump Tower em 9 de junho de 2016 foram Donald Trump Jr.; seu cunhado Jared Kushner; o ex-diretor de campanha do candidato republicano Paul Manafort; a advogada russa Natalia Veselnitskaia e Akhmetshin.

Segundo o jornal Washington Post, o assessor de imprensa britânico Rob Goldstone também estava presente no encontro.

Os e-mails mostraram que a reunião foi oferecida ao filho mais velho de Trump como uma oportunidade de obter informação que prejudicaria Hillary Clinton.

O encontro de Trump Jr. com a advogada russa é visto como uma prova de que o comitê de campanha de Donald Trump se aliou à Rússia para favorecer sua candidatura.

- "Desviar a atenção" -

Segundo o Washington Post, Akhmetshin afirmou que Veselnitskaia teria dito que possuía informação financeira de um fundo de investimentos vinculado ao Partido Democrata, e entregou um documento nesta reunião.

Mas Trump Jr. garantiu que a advogada russa não tinha informações importantes e teria falado de outros temas no encontro.

O jornal também afirma que Akhmetshin teria feito o serviço militar na Rússia e poderia ter trabalhado no setor de inteligência, o que ele nega.

"Essa acusação é maldosamente falsa, e foi feita para desviar a atenção de minha campanha no Congresso", disse à AFP em referência à lei Magnitsky, que resultou em sanções contra funcionários russos de alto nível e contra a qual Akhmetshin tem trabalhado como lobista.

O advogado de Trump Jr., Alan Futerfas, disse à NBC News que seu cliente não conhecia nenhuma das outras pessoas presentes na reunião antes dela acontecer.

AFP