AFP

Esses animais vieram da Alemanha para se instalar no oeste da Dinamarca, região agrícola com a menor densidade populacional do país escandinavo

(afp_tickers)

Alguns lobos, entre eles uma fêmea, voltaram a fazer parte da fauna dinamarquesa pela primeira vez em dois séculos, informou nesta quinta-feira (4) um zoólogo que constatou esse retorno por meio de testes de DNA.

"Sabíamos que desde 2012 alguns lobos tinham entrado na Dinamarca. Agora temos a prova de que há uma fêmea", e existe a possibilidade de que ocorra algum nascimento nesta primavera, contou à AFP o pesquisador da Universidade de Aarhus Peter Sunde.

Esses animais vieram da Alemanha para se instalar no oeste da Dinamarca, região agrícola com a menor densidade populacional do país escandinavo.

"Eles percorreram um longo caminho, mais de 500 km. Acreditamos que são espécies jovens rejeitadas por suas famílias que buscam novos terrenos de caça", explicou o pesquisador.

Isso foi comprovado por meio de uma análise de DNA proveniente das pegadas dos animais, além de vídeos feitos em locais onde se suspeitava que havia a presença de lobos.

Os cientistas estabeleceram o perfil genético de cinco indivíduos, quatro machos e uma fêmea, mas é possível que haja mais exemplares.

A localização é mantida em segredo para não atrair possíveis caçadores.

"O lobo é um animal cuja caça não é autorizada, e por isso devemos protegê-lo", informou à AFP o diretor da Agência de Meio Ambiente, Henrik Hagen Olesen. Esse animal é protegido pela Convenção de Berna.

Os lobos desapareceram completamente do país no século XIX, exterminados por caçadores.

Em outros países nórdicos nos quais a espécie é melhor representada, a caça aos lobos é objeto de grandes discussões entre habitantes, pecuaristas, caçadores, governos, União Europeia e defensores dos animais selvagens.

AFP

 AFP