Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A enorme loja de departamentos, cujo logo é um alvo vermelho e branco, diz que não quer que seus clientes circulem pela loja carregando armas, ainda que isso seja legal em 44 dos 50 estados dos Estados Unidos.

(afp_tickers)

A gigante americana Target pedirá respeitosamente aos seus clientes que não portem armas de fogo em suas sucursais a fim de criar "uma atmosfera segura e acolhedora", informou a rede de lojas varejistas em um comunicado nesta quarta-feira.

A enorme loja de departamentos, cujo logo é um alvo vermelho e branco, diz que não quer que seus clientes circulem pela loja carregando armas, ainda que isso seja legal em 44 dos 50 estados dos Estados Unidos.

O diretor interino da Target, John Mullingan, especificou em um comunicado que a loja, que possui 1.800 sucursais no país, em geral busca aderir às regulações locais.

"Mas, a partir de hoje, também pediremos respeitosamente que os convidados não tragam armas de fogo à Target, ainda que seja em comunidades onde isto é permitido por lei", disse.

Não especificou como lidará com os clientes que portarem armas legalmente e quiserem entrar em uma das lojas.

"Ouvimos cuidadosamente todas as nuances deste debate e respeitamos os direitos de todos", acrescentou. No entanto, "é um tema complexo que se reduz a uma simples crença: entrar na Target com armas de fogo cria um ambiente que contradiz a experiência familiar que buscamos gerar".

A Target é a maior loja de departamentos do país a tomar uma decisão deste tipo até agora. Mas isso ocorre num momento em que aumenta a preocupação dos cidadãos sobre o livre porte de armas, um direito constitucional considerado o responsável por boa parte dos mortíferos tiroteios dos quais os americanos costumam ser vítimas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP