Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Voluntários de emergência e vítima durante simulação de terremoto no museu de História Natural de Los Angeles, na Califórnia, em 19 de outubro de 2017

(afp_tickers)

Não há dúvidas que um grande terremoto irá atingir Los Angeles, a pergunta é quando. As autoridades realizaram nesta quinta-feira uma simulação, que ocorreu também em outras regiões do país.

"Hoje é uma simulação, amanhã pode ser real", disse o prefeito Eric Garcetti.

E tanto pode ser que horas antes do terremoto de 7,1 graus de magnitude que matou 369 pessoas no México em 19 de setembro foi realizada uma simulação.

"Quando um desastre natural acontece precisamos ter um plano. É hora de levarmos a sério, de ter um plano e colocá-lo em prática. Vimos as imagens do México (...), isso poderia ter acontecido conosco", acrescentou o prefeito.

A falha de San Andreas, de 1.300 quilômetros, passa pela metrópole californiana, onde muitas pessoas não estão preparadas para o chamado "The Big One".

Em 17 de janeiro de 1994, um sismo de magnitude 6,7 em Los Angeles deixou 57 mortos e mais de 8.700 feridos.

O exercício, que acontece pelo 10º ano em todo 19 de outubro às 10h19 (15h19 de Brasília), simula um terremoto de 7,8 graus de magnitude, com um estimativa de 1.800 mortos e 213 bilhões de dólares em perdas no sul da Califórnia.

No museu de História Natural, um grupo de 10 crianças participou da simulação.

Entre elas estava Corina Méndez, de oito anos. Com tristeza, repetia a lição: "se agache, coloque as mãos sobre a cabeça e vire para a parede".

A simulação, feita em escolas e algumas bibliotecas, serve de treinamento para corpos voluntários de emergência. Em um jardim em frente ao museu, instalaram uma zona de atendimento aos feridos, dividida em cores de acordo com a gravidade.

Um simulador, instalado em uma espécie de trailer, permite sentir a brusca sacudida que muitos em Los Angeles e no resto da Califórnia ainda não sentiram.

"Los Angeles é a cidade mais preparada dos Estados Unidos, que é o mesmo que dizer que não estamos preparados", indicou Garcetti.

"Nenhuma cidade está", continuou, explicando que tudo depende da intensidade do terremoto.

Atualmente, a Prefeitura está desenvolvendo um aplicativo de alerta precoce, previsto para o ano que vem.

"Este é um dos dias mais importantes do ano", disse Garcetti. "Alguns acham que outros dias - aniversários, feriados - são mais importantes, mas este é o maior e mais importante dia do ano".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP