Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Microsoft's quarterly profit figure topped Wall Street expectations, while the revenue was roughly in line

(afp_tickers)

A Microsoft anunciou, nesta quinta-feira (20), que seu lucro trimestral subiu para 6,5 bilhões de dólares, içado pela migração da empresa para serviços digitais hospedados na nuvem.

A gigante tecnológica americana afirmou que sua receita no segundo trimestre desde ano subiu para 23,3 bilhões de dólares - 7,4 bilhões são atribuídos à mudança de direção para os serviços da "nuvem inteligente".

"As inovações nas nossas plataformas na nuvem levaram aos bons resultados neste trimestre", afirmou o diretor executivo da Microsoft Satya Nadella num comunicado.

"Os clientes estão olhando para a Microsoft e nosso ecossistema promissor para acelerar suas próprias transformações digitais e criar novas oportunidades nessa era de nuvem inteligente".

Nuvem inteligente é o nome dado pela Microsoft aos serviços que permitem que as empresas aproveitem o poder de computação online dos seus centros de dados associados aos insights ou análises feitos por um software de inteligência artificial.

A Microsoft também disse que produtos baseados na nuvem, como Office 365, tiveram alta no trimestre, com o número de assinantes ampliado para 27 milhões.

O lucro trimestral superou as expectativas de Wall Street, enquanto a receita foi exatamente a estimada. As ações da tecnológica tiveram alta de 1%, a 75,05 dólares nos negócios após o fechamento do mercado, seguindo a divulgação do relatório.

A Microsoft anunciou no começo do mês um corte de vagas, sem precisar exatamente quantas, diante de notícias de que a empresa estava reorganizando suas vendas internacionais.

A empresa que ser a primeira parada de companhias buscando a computação na nuvem, à medida que a indústria se afasta dos softwares empacotados.

A nuvem da Microsoft chamada Azure tem concorrentes de potências tecnológicas como Amazon e Google. As três empresas têm investido em inteligência artificial que podem ajudar a tornar os serviços baseados na nuvem mais intuitivos e perspicazes na análise de dados ou necessidades dos usuários.

AFP