Navigation

Luis Lacalle Pou, o presidente que não queria ser político

Luis Lacalle Pou assume com 46 anos, tornando-se o presidente mais jovem desde a redemocratização uruguaia, em 1985 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 01. março 2020 - 14:35
(AFP)

Luis Lacalle Pou se tornará neste domingo, aos 46 anos, o presidente mais jovem do Uruguai desde 1985, ano em que a democracia foi restaurada no país.

Formado em Direito, deputado por três mandatos e senador por um pelo Partido Nacional (PN, centro-direita), filho de presidente e bisneto de um líder político histórico, Lacalle pôs fim a 15 anos de governos da Frente Ampla (FA, esquerda). Fez isso graças a uma aliança de cinco forças que vão do centro para uma direita mais radical.

Lacalle Pou assumirá seu mandato de cinco anos com um projeto de Lei de Consideração Urgente (LUC). O Parlamento deve processá-la dentro de um prazo máximo de 90 dias.

O projeto, com 457 artigos, abrange da segurança e economia à educação e saúde, com itens dedicados a assuntos tão diversos quanto a importação de combustível ou a produção de embutidos.

Como parlamentar, em consonância com a postura conservadora que identifica sua força política, ele votou contra a descriminalização do aborto e o casamento homossexual.

Ele também rejeitou a regulamentação da maconha promovida pelo governo de José Mujica (2010-2015), embora já tivesse apresentado um projeto de legalização para o autocultivo da maconha, que ele declarou abertamente ter consumido em sua juventude, assim como a cocaína.

No entanto, garantiu que não promoverá a revogação de nenhuma dessas leis, consideradas insígnias dos governos da FA.

- Superar preconceitos -

Lacalle Pou tinha 16 anos quando seu pai, Luis Alberto Lacalle (1990-1995), tornou-se presidente pelo PN e foi morar com sua família na residência presidencial.

Nos últimos três anos, a casa localizada no Prado, um bairro na parte oeste de Montevidéu, ficou desabitada: nem Tabaré Vázquez (2005-2010, 2015-2020) nem Mujica quiseram morar lá. Mas Lacalle Pou deixará o bairro onde mora para ocupá-lo com sua esposa e três filhos.

É o herdeiro de uma dinastia política iniciada por seu bisavô paterno, Luis Alberto de Herrera, um líder civil que ingressou em um executivo colegiado na década de 1950 e deu origem a um movimento conservador liberal conhecido no Uruguai como Herrerismo.

No entanto, de acordo com um de seus irmãos em 2014, Lacalle negou esse legado. "Nunca serei político", é a frase que Juan José Lacalle Pou disse que ouviu do irmão adolescente depois de uma discussão com os pais.

Como estudante de Direito, ele também bateu de frente com colegas que criticavam o governo de seu pai. Amigos e parentes dizem que essas situações determinaram sua vocação política.

"Ele teve que derrubar muitos preconceitos". Foi chamado de "berço de ouro, surfista, filho de presidente, que nunca trabalhou, de pedante", diz Esteban Leonís, jornalista e autor do livro Lacalle Pou "Um rebelde a caminho da presidência." "Mas é um cara comum", completa.

Lacalle Pou obteve a presidência em sua segunda tentativa. Em 2014, perdeu na eleição para Vázquez.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.