Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz discurso em Brasília, em 1º de junho de 2017

(afp_tickers)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ícone da esquerda na América Latina, ocupou a primeira posição mundial no Twitter depois de ser condenado a nove anos e meio de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

"Lula, ladrão, roubou meu coração", escreveram em tom de brincadeira centenas de seguidores do ex-presidente, cuja candidatura às eleições de 2018 está ameaçada agora por essa sentença à qual ele poderá recorrer em liberdade.

"É muito injusto que Lula possa ir para a prisão enquanto Temer não só não paga por seus atos de corrupção, como ainda é presidente", escreveu o cientista político argentino Rodrigo Lloret, referindo-se à denúncia por corrupção envolvendo o presidente Michel Temer.

Entre as centenas de tuítes da 'notícia-bomba' divulgada na mídia de todo o mundo, houve também mensagens de solidariedade de sua sucessora Dilma Rousseff e de outros presidentes de esquerda da região, como o boliviano Evo Morales.

Na tarde desta quarta-feira, havia mais de 68.500 mensagens na rede social referindo-se àquele que foi o presidente mais popular da história recente de Brasil, que lidera os 10 assuntos mais comentados no Twitter.

Enquanto alguns usuários chamavam a atenção para o fato de a sentença do juiz Sérgio Moro ser anunciada no dia seguinte à aprovação da polêmica reforma trabalhista, outros usaram o espaço limitado de caracteres para comemorar.

"A justiça foi feita. O maior cara de pau do Brasil foi condenado", celebrou o prefeito de São Paulo, João Doria.

Paralelamente, outro político ocupou o ranking de menções no Brasil, o deputado de extrema direita Jair Bolsonaro, com a hashtag #Bolsonaro2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP