Navigation

Lula desiste de regime semiaberto e continuará na prisão, diz advogado

(Março) O ex-presidente Lula retorna à sede da Polícia Federal em Curitiba após acompanhar o funeral de seu neto em São Paulo afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 23. setembro 2019 - 22:58
(AFP)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva optou por continuar na prisão, onde cumpre pena há mais de um ano, em vez de passar para o regime semiaberto ou domiciliar, benefícios aos quais ele teria direito a partir desta segunda-feira, informou sua defesa.

Lula, na prisão desde 7 de abril de 2018, cumpre uma sentença de oito anos e dez meses na sede da Polícia Federal de Curitiba.

O ex-presidente completou nesta segunda-feira um sexto da pena, o que lhe permite solicitar a progressão para o regime semiaberto (trabalhando durante o dia e voltando à noite para a prisão) ou até mesmo o domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica.

"O ex-presidente Lula tem ciência do seu direito de pedir a progressão de regime e optou por não apresentar o pedido porque busca o restabelecimento de sua liberdade plena, com o reconhecimento de que foi vítima de processos corrompidos por nulidades, como a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro", informou sua defesa à AFP.

Lula, de 73 anos, nega todas as acusações e se diz vítima de um complô político para impedi-lo de participar das eleições presidenciais de 2018, cujas pesquisas liderava mesmo após sua detenção em abril.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.