Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ex-presidente Dilma Rousseff durante uma conferência em Lisboa, em 15 de março de 2017

(afp_tickers)

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff participaram neste domingo de uma inauguração simbólica de um trecho das obras de transposição do rio São Francisco no sertão da Paraíba, dias depois do presidente Michel Temer ter participado da inauguração oficial.

Milhares de pessoas, segundo os organizadores, compareceram ao ato na cidade de Monteiro, na Paraíba, batizado de "inauguração popular da transposição do rio São Francisco", no qual os ex-presidentes petistas reivindicaram a paternidade da obra.

Com o olhar nas eleições presidenciais de 2018 e com problemas na Justiça, Lula aproveitou o ato para medir seu apoio no nordeste, seu bastião histórico.

"Sinto muito orgulho de ter tido a coragem de iniciar este projeto. Nós somos pai, mãe, irmão, tio e sobrinho da transposição das águas", declarou o ex-presidente ante seus partidários.

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Lula enfrenta, porém, um complicado panorama judicial ao ser réu em cinco ações penais por corrupção, três delas da Operação Lava Jato.

Dilma voltou a criticar o "golpe" que a afastou do poder e levou Temer à presidência.

"Os caraduras que dizem que fizeram esta obra são os mesmos que realizaram um impeachment sem crime" de responsabilidade, insistiu Dilma.

Há nove dias, ao inaugurar oficialmente o trecho das obras de transposição, Temer afirmou que "ninguém tem a paternidade da transposição do rio São Francisco", insistindo em que se trata de um projeto antigo que "passou por vários governos".

AFP