AFP

O candidato de esquerda radical à presidência da França, Jean-Luc Mélenchon, em Lons-le-Saunier, em 19 de abril de 2017

(afp_tickers)

O candidato da esquerda radical à presidência da França, Jean-Luc Mélenchon, defendeu nesta sexta-feira, em Paris, uma "Europa dos Rebeldes", ao lado do líder do partido espanhol de esquerda Podemos, Pablo Iglesias, em um comício no último dia de campanha.

"Há várias Europas possíveis, não só a Europa deles é possível. Em nossos povos as ideias avançam (...). Nos referimos à Europa dos rebeldes, esta Europa insubmissa", declarou o candidato da extrema esquerda em um comício no qual também esteve presente Marisa Matias, deputada europeia do Bloco de Esquerda português.

Pablo Iglesias definiu os três principais candidatos que disputam com Mélenchon a liderança das pesquisas.

"Tenho duas palavras para definir Emmanuel Macron: banqueiro e negociante; François Fillon, posso defini-lo com apenas uma palavra: corrupção; Marine Le pen, posso defini-la com apenas uma palavra: medo".

"A França e a Europa não precisam de um negociante, nem de medo ou de corrupção", disse Iglesias, que chamou Jean-Luc Mélenchon de candidato da "Liberdade, Igualdade e Fraternidade".

Diante de uma multidão aos gritos de "Resistência" e "Sim, é possível", Jean-Luc Mélenchon recordou que de "todas as partes do mundo nos observam", pedindo à militância que lute para convencer "até o final".

Consciente de que "um punhado de votos" determinará o resultado no domingo, Mélenchon disse esperar "um magnífico segundo turno, por ao menos uma razão: porque teremos nos livrado de Marine Le Pen".

Em um palco improvisado, Pablo Iglesias, Marisa Matias e Jean-Luc Mélenchon se deram as mãos e gritaram. "Adiante, franceses, adiante, França"!

AFP

 AFP