Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O governador californiano, Jerry Brown, é visto ao lado do chanceler mexicano Antonio Meade, em 28 de julho de 2014

(afp_tickers)

O México e o estado da Califórnia, no oeste dos Estados Unidos, fecharam um acordo nesta segunda-feira para reforçar medidas de redução da emissão de gases causadores do efeito estufa em sua dinâmica fronteira comum de 225 km, informou o governador californiano, Jerry Brown.

Oitava potência econômica mundial, a Califórnia "não pode fazer (essa tarefa) sozinha e, com esse novo acordo com o México, podemos fazer verdadeiros progressos na redução dos perigosos gases do efeito estufa", responsáveis pelo aquecimento global, disse o governador na assinatura do documento na Cidade do México, segundo seu gabinete.

México e Califórnia já tinham experiência em cooperação em matéria ambiental. Agora, com o novo acordo, que terá vigência de quatro anos, esperam-se "resultados tangíveis e concretos que redundarão em nosso benefício mútuo", declarou o subsecretário do Ministério mexicano do Meio Ambiente, Rodolfo Lacy, também presente na cerimônia.

Um dos capítulos do acordo firmado durante o primeiro de quatro dias de visita de Brown ao México, intitulado "Veículos Limpos", contempla "o fortalecimento" das medidas para a redução da emissão de gases do efeito estufa de veículos de carga pesada e das normas para a eficiência de combustíveis para caminhões.

Desde 1994, México, Estados Unidos e Canadá compartilham o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), mas foi apenas em 2011 que os caminhões de carga mexicanos conseguiram ingressar em território americano dentro de um programa temporário. O governo do México espera que esse programa se torne permanente, depois que se demonstrou - afirmam as autoridades - que as unidades mexicanas contam com os padrões de segurança e ambientais exigidos.

A Califórnia mantém um comércio com o México que chega a US$ 60 bilhões anuais.

AFP