Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Comissão Nacional de Hidrocarburetos do México, Juan Carlos Zepeda (E), e o ministro de Energia, Pedro Joaquín Codwell, em 5 de dezembro de 2016

(afp_tickers)

O México apresentou, nesta quinta-feira (28) uma nova convocatória de licitações para a exploração de 35 campos de petróleo em águas rasas no Golfo de México. O leilão acontecerá no fim de março de 2018, informou o governo.

A nova licitação, a nona após as reformas energéticas do presidente Enrique Peña Nieto, de 2014, oferecerá contratos de produção compartilhada. Os vencedores serão definidos segundo a participação percentual oferecida ao Estado mexicano, e o montante de investimento prometido também será considerado.

Os termos econômicos do contrato contemplam também um mecanismo de ajuste que aumenta a participação do Estado nas receitas, conforme crescer a rentabilidade do contratante.

"Com isso, capturamos as surpresas positivas que possam se apresentar tanto em termos de produção, como em termos de preços", destacou Salvador Ugalde, chefe de unidade de receita de hidrocarbonetos do Ministério da Fazenda.

As operadoras que já participaram de licitações anteriores estarão pré-qualificadas para o novo leilão, enquanto os novos aspirantes deverão ter operado pelo menos um contrato nos últimos cinco anos e contar com investimento de capital "offshore" de ao menos 1 bilhão de dólares.

Após a abertura do setor energético, o México lançou oito licitações, principalmente em campos marítimos, mas também terrestres, e uma associação entre a empresa Petróleos Mexicanos (Pemex) e a australiana BHP Billiton para desenvolver o bloco de águas profundas Trion, também no Golfo do México.

Nas licitações anteriores, foram leiloadas 94 áreas contratuais, segundo o Ministério de Energia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP