Navigation

Machu Picchu segue aberta, mas reduz capacidade devido a contágios no Peru

(Junho de 2020) Cidade inca de Machu Picchu, a 80 km de Cusco, sul do Peru, sem visitantes devido à pandemia de coronavírus afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. abril 2021 - 23:16
(AFP)

A cidadela inca de Machu Picchu, joia do turismo no Peru, reduziu sua capacidade diária um mês depois de reabrir suas portas devido ao aumento de mortes e infecções por covid-19 no país, de acordo com novas regulamentações governamentais.

A medida obriga a limitar o acesso até o dia 9 de maio a um total de 675 visitantes diários, o equivalente a 30% da capacidade da atração.

Desde a reabertura em março, a cidadela inca funcionou com 40% da capacidade, ou 897 visitantes diários.

A restrição inclui todos os sítios arqueológicos do Peru que se encontram em áreas de "alerta extremo" de contágio na atual segunda onda da pandemia, segundo a norma que está em vigor desde 19 de abril.

A medida garante que sítios arqueológicos, como Machu Picchu, só podem ser visitados de segunda a sábado. Aos domingos, Os locais são fechados devido ao confinamento obrigatório da população.

Desde a reabertura, o uso de máscaras é obrigatório para percorrer a cidadela construída durante o governo do imperador inca Pachacútec, no século XV.

Machu Picchu, que em tempos normais recebe 2.244 visitantes por dia, foi fechada durante todo o mês de fevereiro devido a uma nova quarentena que buscava evitar multidões, o que é considerado uma das principais fontes de contágio.

Depois de ficar fechada em 2020 por quase oito meses devido à pandemia, a cidadela foi reaberta em 1º de novembro, mas fechou novamente em 31 de janeiro no que foi um novo golpe para o turismo, setor econômico mais afetado pelo coronavírus no Peru.

A mítica construção de pedra está localizada em Urubamba, na região de Cusco, uma das 41 províncias do Peru - de um total de 196 - sob alerta sanitário extremo.

Cusco, principal cidade da região, é a antiga capital do império Inca e vive principalmente do turismo, como as cidades do Vale Sagrado dos Incas. Nesta área fica Machu Picchu, declarada Patrimônio Mundial pela Unesco em 1983.

Em 2020, a região deixou de receber cerca de 1,4 bilhão de dólares devido à ausência de turistas.

O PIB peruano caiu 11,12% em 2020, mas a queda foi muito maior no setor de turismo (-50,45%), segundo dados oficiais.

O número de mortos no Peru atingiu o recorde de 433 em um dia de domingo. A média móvel ultrapassou 300 mortes desde abril. Em Lima, 40% das infecções são causadas pela variante brasileira, segundo o ministro da Saúde, Oscar Ugarte.

Em 13 meses de pandemia, as mortes no Peru chegam a mais de 57 mil, enquanto foram registradas 1,7 milhão de infecções no Peru, que tem 33 milhões de habitantes.

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?