Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma menina segura uma bandeira durante a marcha "Ni una menos" contra o feminicídio, em Buenos Aires, no dia 3 de junho de 2016

(afp_tickers)

O presidente Mauricio Macri apresentou nesta terça-feira o Plano Nacional de Ação para a Prevenção, Assistência e Erradicação da Violência contra as Mulheres" na Argentina.

"A violência de gênero é, talvez, a que mais nos afeta, mais nos choca, com uma vítima a cada 37 horas, uma incrível realidade nossa", disse Macri ao recordar que tem três filhas.

"Temos que banir os padrões culturais que naturalizam a agressão à mulher. Mas isto não é um trabalho apenas do governo, e sim de toda a sociedade", declarou Macri em um ato na Casa Rosada, do qual participaram familiares de vítimas da violência de gênero.

"Quero pedir a todas as mulheres que nos escutam neste momento que, por favor, nos chamem, confiem em nós, nos deem a oportunidade de ajudá-las (...) para juntos sairmos desta situação", declarou o presidente.

O primeiro passo do programa prevê um investimento de 750 milhões de pesos (49,4 milhões de dólares) para os próximos três anos em medidas de fortalecimento institucional e campanhas de conscientização.

Macri destacou que o objetivo é "transformar a erradicação da violência contra a mulher em uma política de Estado".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP