Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeira-ministra britânica, Theresa May (esq), e o presidente francês, Emmanuel Macron, na chegada a Albert, norte da França e perto da fronteira belga, em 9 de novembro de 2018

(afp_tickers)

O presidente francês, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra britânica, Theresa May, homenagearam nesta sexta-feira (9) os caídos na batalha de Somme no contexto das comemorações pelo centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, e entre tensões a poucos meses do Brexit.

Este encontro faz parte do "itinerário da memória", o périplo que Macron fez no domingo passado pelos campos de batalha da Grande Guerra (1914-1918), antes da comemoração internacional do centenário do armistício, que reunirá em Paris neste final de semana 70 chefes de Estado do mundo todo, incluindo o americano Donald Trump e o russo Vladimir Putin.

Macron recebeu May em Albert, uma localidade próxima à fronteira belga, para um almoço de trabalho no qual o Brexit ocupou lugar de destaque na agenda.

A França adotou uma linha dura nas negociações do Brexit com Macron, que insiste em que não se deve permitir que o Reino Unido negocie vantagens à medida que se aproxima de sua retirada do bloco.

As partes correm contra o tempo para tentar acordar os termos do divórcio. Londres tenta chegar a um acordo nas próximas semanas para dar tempo à aprovação pelo parlamento britânico antes do Brexit, previsto para 29 de março.

Após o almoço, May e Macron foram juntos ao memorial de Thiepval, um monumento franco-britânico em memória dos desaparecidos da batalha de Somme, a mais violenta da guerra, com 1,2 milhão de mortos, feridos e desaparecidos.

Neste monumento de 45 metros de altura erigido em 1932 estão os nomes dos 72.000 soldados do Reino Unido e da África que Sul que morreram na batalha.

Ali, os dois dirigentes depositaram uma coroa de flores confeccionada especialmente para a ocasião.

- História compartilhada -

Antes, May visitou o cemitério militar de Saint Symphorien em Mons, na Bélgica, onde ela e o primeiro-ministro belga Charles Michel depositaram uma coroa de flores nas tumbas do primeiro e último soldado morto no front ocidental.

"Há um século, as forças britânicas lutaram lado a lado com nossos aliados na Europa no front ocidental. Hoje na França e na Bélgica refletimos sobre nossa história compartilhada, mas também olhamos em frente, para nosso futuro compartilhado, construído sobre a base da paz, da prosperidade e da amizade", apontou o gabinete de May.

A visita de May é o ponto culminante da presença britânica nas comemorações internacionais dos 100 anos de fim da Grande Guerra. Enquanto dezenas de líderes mundiais se reunirão neste final de semana na capital francesa, a "Premiê" britânica participará das comemorações que acontecerão em seu país.

Macron, anfitrião das cerimônias do centenário do armistício, retornará a Paris na sexta-feira. No sábado receberá no Palácio do Eliseu o presidente americano Donald Trump, com quem terá um almoço de trabalho.

À tarde, Macron se reunirá com Angela Merkel no bosque de Compiègnes (norte), onde os alemães e os aliados fecharam o armistício após quatro anos da pior guerra que o mundo havia visto.

Este encontro simbolizará o final do processo de reconciliação entre ambos os países, apontou a presidência francesa.

As homenagens serão concluídas no domingo à tarde com o Fórum de Paris pela Paz, um evento organizado por Macron para debater sobre democracia e multilateralismo, que contará com a presença do presidente colombiano Iván Duque e seu homólogo costa-riquenho Carlos Alvarado, mas ao qual Trump disse que não comparecerá.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP