AFP

Emmanuel Macron e Marine Le Pen em combinação de imagens de votação

(afp_tickers)

Os franceses votam neste domingo para designar, após uma campanha eleitoral tensa, aquele que liderará o país nos próximos cinco anos: Emmanuel Macron, um centrista pró-europeu em ascensão, ou a candidata da extrema-direita Marinha Le Pen.

Às 15h00 GMT (12h00 de Brasília), a particiação na eleição era de 65,30%, em queda em relação ao primeiro turno e ao segundo turno de 2012.

À frente no primeiro turno, Emmanuel Macron, de 39 anos, um ex-banqueiro de investimentos e ex-ministro da Economia do atual presidente François Hollande, é apontado como favorito neste segundo turno da eleição presidencial, com entre 61,5 e 63% dos votos, contra 37-38,5% para sua rival Marine Le Pen, de 48 anos, segundo as últimas pesquisas.

Mas o voto surpresa em favor de Brexit no Reino Unido ou a vitória inesperada de Donald Trump nos Estados Unidos incitam prudência quanto aos resultados das pesquisas de opinião na França.

"Hoje, é a França que está em jogo", declara Bernadette, uma senhora de 73 anos que votou na abertura de sua assembleia de voto em Marselha (sudeste), aliviada com o fim de uma campanha "cansativa".

Para a parisiense Marie Piot, de 32 anos, "o mundo nos espera. Depois do Brexit e de Trump, é quase como se fôssemos o último bastião do Iluminismo".

Os dois candidatos afirmam encarnar a renovação do cenário político, mas enquanto Macron defende o livre comércio e quer aprofundar a integração europeia, Le Pen denuncia a "globalização selvagem" e a imigração e quer um "protecionismo inteligente".

Pirataria de dados

O período entre os dois turnos foi marcado pelo enorme apoio em favor de Macron (24,01% dos votos no primeiro turno em 23 de abril), favorito inesperado que era praticamente desconhecido há três anos, para bloquear Le Pen (21,30%).

Pela segunda vez em quinze anos, a extrema-direita, que não parou de angariar votos nas eleições intercalares, chegou ao segundo turno da eleição presidencial. Mas ao contrário do que aconteceu em 2002, a mobilização popular era quase inexistente. E nas fileiras da esquerda radical, alguns se recusam a "escolher entre a peste e a cólera".

Ambos os candidatos votaram no final desta manhã no norte da França, Macron em Le Touquet e Le Pen em sua fortaleza operária de Henin-Beaumont.

A campanha entre os dois turnos terminou na sexta-feira com um novo sobressalto, com a difusão nas redes sociais de dezenas de milhares de documentos internos da equipe de campanha de Macron, extensivamente replicados pela extrema-direita no Twitter.

A justiça francesa abriu uma investigação na sexta-feira à noite, segundo informou neste domingo uma fonte próxima ao assunto.

A investigação foi aberta por "acesso fraudulento a um sistema de tratamento automatizado de dados" e "violação do sigilo de correspondência", segundo a fonte.

50.000 membros das forças de ordem

Emmanuel Macron, que, caso seja eleito, se tornaria o mais jovem presidente francês, declarou na sexta-feira que já havia escolhido o seu futuro chefe do governo, sem nomeá-lo.

O próximo primeiro-ministro será responsável por conduzir a campanha eleitoral para as legislativas de 11 e 18 de junho, com o objetivo de dar uma maioria ao novo chefe de Estado.

O vencedor da batalha já foi convidado por Hollande, que desistiu de tentar um segundo mandado em razão de sua elevada impopularidade, para participar com ele na segunda-feira das cerimônias de comemoração da rendição alemã em 1945.

Cerca de 47,5 milhões de franceses foram convidados a votar a partir das 06h00 GMT (3h00 de Brasília) até 17h00 GMT (ou 18h00 GMT em Paris e algumas outras cidades) (13h00 de Brasília, ou 15h00 em Paris e algumas cidades).

Um forte esquema de segurança foi montado, com mais de 50.000 policiais, gendarmes e militares mobilizados.

Neste contexto, a esplanada do Museu do Louvre, onde Emmanuel Macron planeja comemorar sua vitória caso vença a eleição, foi evacuada brevemente no início da tarde em razão de um alerta de segurança.

As autoridades estabeleceram um perímetro de segurança ao redor da área e mobilizaram uma equipe de policiais, que assegurou não haver perigo.

A França, que vive desde 2015 sob estado de emergência, escapou na madrugada de sexta-feira de um novo possível ataque islamita com a prisão de um ex-militar de 34 anos, convertido ao Islã e que prometeu lealdade ao grupo Estado islâmico (EI). Ele foi preso perto de uma base militar em Evreux, 100 km ao noroeste de Paris, com armas escondidas nas proximidades.

Em 20 de abril, três dias antes do primeiro turno, um policial foi morto no centro da capital, na avenida Champs-Elysées. O ataque foi reivindicado pelo EI, que cometeu a maioria dos ataques que mataram 239 na França desde janeiro de 2015.

AFP

 AFP