Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

(afp_tickers)

O presidente Nicolás Maduro afirmou neste domingo que a Venezuela continuará sendo parte do Mercosul, apesar da "Tríplice Aliança" formada por Argentina, Brasil e Paraguai para expulsar seu país do bloco regional.

Maduro lamentou que esses governos tenham "tomado o caminho" do retrocesso e pretendam bloquear a presidência de Caracas.

"A Venezuela é Mercosul e vai continuar sendo Mercosul. Temos a presidência", declarou Maduro à imprensa após o fim da Cúpula do Movimento dos Países Não Alinhados, em Isla Margarita.

Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, fundadores do Mercado Comum do Sul (Mercosul), assumiram a presidência do grupo no lugar da Venezuela, por considerar que este último país não obedeceu os compromissos econômicos e políticos previsto na adesão do país, em 2012.

Os países deram inclusive um ultimato para que a Venezuela fique em dia antes de 1 de dezembro, sob pena de ser excluído do bloco.

Sem mencionar o Uruguai, Maduro acusou os sócios de serem "filhos dos velhos ditadores" que "fizeram milhares de jovens desaparecer" nos anos setenta.

"A Tríplice Aliança não poderá nos fazer desaparecer", exclamou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP