Navigation

Maduro dá 48h ao Grupo de Lima para retificar postura sobre a Venezuela

(Arquivo) O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, em 21 de novembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. janeiro 2019 - 17:58
(AFP)

O presidente Nicolás Maduro advertiu nesta quarta-feira ao Grupo de Lima que tomará medidas enérgicas se, em 48 horas, não for retificada sua posição contra a Venezuela, na véspera em que assumirá um novo mandato de seis anos, não reconhecido pelo bloco.

"Hoje foi entregue a todos os governos do cartel de Lima uma nota de protesto, onde exigimos uma retificação de suas posições sobre a Venezuela em 48 horas ou o governo da Venezuela tomará as mais urgentes medidas diplomáticas", sentenciou Maduro em coletiva de imprensa.

O presidente considerou "inaceitável" a declaração emitida na sexta-feira pelo Grupo de Lima, com o apoio dos Estados Unidos, texto que pede para que ele não assuma a presidência e transfera o poder para maioria parlamentar da oposição, enquanto que "as eleições democráticas são realizadas".

Maduro rejeitou em particular o ponto em que o bloco, que ele acusa de seguir ordens de Washington, tomou partido da Guiana em uma disputa territorial com a Venezuela.

No comunicado, assinado por 13 dos seus 14 membros - México foi o único a se abster-, o Grupo Lima incluiu um ponto que rejeita "qualquer provocação ou destacamento militar que ameace a paz e a região" e pediu Maduro que desista de "ações que violam os direitos soberanos de seus vizinhos".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.