Navigation

Maduro declara 'estado de alarme' por chegada de coronavírus à Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa usando máscara de proteção em 13 de março de 2020. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. março 2020 - 03:49
(AFP)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, declarou nesta sexta-feira o "estado de alarme", após os dois primeiros casos do novo coronavírus no país.

"Estamos iniciando uma quarentena coletiva, uma quarentena social", disse Maduro em rede nacional de rádio e TV após firmar o decreto de alarme, uma forma de estado de exceção que lhe concede poderes especiais.

Maduro prometeu "medidas drásticas" contra a epidemia.

Mais cedo, a Venezuela anunciou os dois primeiros casos confirmados do novo coronavírus no país.

"Nas primeiras horas de hoje dois casos de coronavírus foram registrados na Venezuela", disse a vice-presidente Delcy Rodríguez, a quem Maduro ordenou que coordenasse as ações contra a pandemia.

Os pacientes são uma mulher venezuelana de 41 anos, que havia visitado os Estados Unidos, Itália e Espanha, e outro nacional de 52 anos, que esteve na Espanha, ambos domiciliados no estado de Miranda (norte), que cobre a parte leste de Caracas.

"Esses dois casos já estão absolutamente isolados, contatos diretos são determinados e toda a rede de contatos indiretos está sendo verificada", disse Rodríguez.

Paralelamente, o governo suspendeu as aulas "em todos os níveis" no país a partir da próxima segunda-feira.

O Ministro do Interior e da Justiça, General Nestor Reverol, entretanto, indicou que a máscara será obrigatória em "todos os pontos de controle de fronteira de pedestres" com a vizinha Colômbia e Brasil, ambos com casos relatados.

A vice-presidente reiterou que "todos os tipos de reuniões públicas" estão proibidas.

A nova pandemia de coronavírus afeta mais de uma centena de países, já causou mais de 5.000 mortes em todo o mundo e o número de infectados continua a crescer.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.