Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente venezuelano Nicolás Maduro no Palácio de Miraflores em Caracas em 11 de setembro

(afp_tickers)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decretou nesta terça-feira o estado de exceção em mais 10 municípios da fronteira com a Colômbia, quase um mês após a operação contra o contrabando que provocou o fechamento de vários pontos de passagem entre os dois países.

"Decidi ativar as zonas número 4, 5, 6 e 7 da Missão Nova Fronteira de Paz", disse Maduro no programa que faz semanalmente na estatal VTV.

Maduro anunciou a ativação, "de maneira imediata", do estado de exceção e "dos planos especiais", sem detalhar se haverá o fechamento de pontos de passagem nos municípios afetados, nos estados de Apure e Zulia.

O presidente explicou que as zonas 6 e 7 correspondem aos municípios de Páez, Rómulo Gallegos e Pedro Camejo, no estado de Apure, e as zonas 4 e 5 envolvem os municípios de Jesús Enrique Losada, Rosario de Perijá, Machiques de Perijá, La Cañada Urdaneta, Jesús María Semprún, Catatumbo e Colón, todos no estado de Zulia.

Maduro enviou cerca de 3 mil militares aos dois estados, em 7 de setembro passado.

Em Táchira, outro estado da fronteira com a Colômbia, há 5 mil militares estacionados nas zonas de segurança na fronteira.

A tensão entre Venezuela e Colômbia começou exatamente em 19 de agosto, quando Caracas decretou o fechamento de parte da fronteira após um ataque a militares venezuelanos que Maduro atribuiu a "paramilitares colombianos".

Colômbia e Venezuela compartilham uma porosa fronteira de 2.219 km, na qual denunciam a atividade de grupos ilegais que lucram com o contrabando de combustíveis e outros produtos altamente subsidiados pelo governo venezuelano.

AFP