Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Hanoi, Vietnã, no dia 31 de agosto de 2015

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, denunciou nesta segunda-feira que existe um plano para assassiná-lo com a "anuência" do governo colombiano.

"Tenho provas, que vou mostrar, de que Bogotá está fazendo uma campanha para matar-me (...), lamentavelmente com a anuência e vista grossa do governo da Colômbia", disse o presidente venezuelano ao canal estatal venezuelano, do Vietnã, onde se encontra para visita de Estado.

Essas declarações são feitas em meio à crise entre os dois países, depois que Maduro ordenou o fechamento indefinido da fronteira, decretou o estado de exceção em dez municípios do estado Táchira, e deportou cerca de mil colombianos.

O presidente venezuelano disse que "nas próximas horas" apresentará provas das ameaças que sofre. "Tenho as provas, quando as mostrar, vou pedir às famílias que as crianças não as vejam, porque é brutal", alertou.

Maduro criticou seu homólogo colombiano, Juan Manuel Santos, afirmando que ele "está perdendo a sensatez" ao se deixar levar por seus assessores.

AFP