Navigation

Maduro diz a emigrantes venezuelanos que parem de 'lavar privadas' e retornem

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 29. agosto 2018 - 12:51
(AFP)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu nesta terça-feira aos emigrantes venezuelanos que abandonaram o país em meio à severa crise econômica que "parem de lavar privadas" no exterior e retornem.

"Digo a vocês venezuelanos (...) que querem regressar da escravidão econômica: deixem de lavar privadas no exterior e voltem para sua pátria", disse o presidente em um ato de assinatura de convênios petrolíferos, transmitido em rede nacional de rádio e TV.

Maduro denunciou que os venezuelanos que emigraram para o Peru seguindo "cantos de sereia" apenas encontraram "racismo, desprezo, perseguição econômica e escravidão".

"Não é possível que alguns venezuelanos que foram lavar privada no exterior tenham ido como escravos econômicos porque escutaram que era preciso abandonar seu país".

O governo socialista atribui o êxodo a uma "campanha da direita" e diz estar seguro de que os emigrantes voltarão após os resultados de medidas econômicas que entraram em vigor há uma semana.

Fugindo da crise econômica, da hiperinflação e do desabastecimento, milhares de venezuelanos emigraram nas últimas semanas para Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Chile, gerando tensões.

Ao menos 2,3 milhões de venezuelanos - de uma população de 30,6 milhões - vivem no exterior. Deste total, 1,6 milhão emigraram a partir de 2015, segundo as Nações Unidas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.