Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Nicolás Maduro em 16 de janeiro de 2017 em Caracas

(afp_tickers)

O presidente Nicolás Maduro negou que haja "ruptura da ordem constitucional" na Venezuela, onde assegurou a vigência plena da Constituição.

Em ato com seus seguidores, Maduro convocou os poderes públicos para superar as diferenças sobre as sentenças que levaram o Supremo a assumir as competências do Parlamento e retirar a imunidade dos deputados.

"Na Venezuela há plena vigência da Constituição, dos direitos civis e políticos, dos direitos humanos e do poder popular", disse o presidente venezuelano.

"Assumo, através do diálogo e da Constituição, a tarefa de resolver hoje mesmo o 'impasse' que surgiu entre o Ministério Público e o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), e convoco o Conselho de Segurança da Nação para hoje mesmo à noite deliberar e alcançar uma resolução", acrescentou Maduro, depois que a procuradora-geral, Luisa Ortega, declarou que houve uma "ruptura da ordem constitucional" no país.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP