Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas, no dia 7 de abril de 2016

(afp_tickers)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decidiu nesta quinta-feira pedir à Sala Constitucional que declare ilegal a lei de anistia aprovada há uma semana pela oposição - que domina o Parlamento - para libertar presos políticos.

Ao discursar para milhares de seguidores diante do palácio presidencial de Miraflores, Maduro disse que "hoje mesmo iniciei" o trâmite para "pedir à Sala Constitucional que declare inconstitucional a lei de anistia criminal".

No mesmo discurso, Maduro garantiu que avaliará uma proposta de reduzir o atual mandato do Parlamento caso este insista em aprovar uma emenda constitucional para reduzir seu mandato.

"Vou avaliar com absoluta seriedade, e prometo ao país que se ver a possibilidade de bloquear os caminhos do golpismo e da utilização da Assembleia Nacional, pessoalmente farei isto se o povo me apoiar. Prometo a vocês".

Maduro justificou seu pedido à Sala Constitucional assinalando que a anistia aprovada no dia 29 de março é "uma lei de guerra, para o ódio, um perdão para golpistas que confessaram seus crimes em 17 anos" de governo chavista.

"Se esta lei for aprovada, a Venezuela entrará em um ciclo de guerra civil, e não podemos permitir isto. Na Venezuela não vai reinar a divisão ou o ódio, para que haja paz deve haver justiça", afirmou o presidente em discuso.

A Sala Constitucional é uma alta instância do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que a oposição chama de escritório de advocacia do chavismo.

A maioria opositora no Parlamento quer encurtar o mandato de Maduro mediante um referendo revogatório ou uma emenda constitucional que reduza seu mandato de seis para quatro anos, com o apoio de uma mobilização popular pela saída do presidente.

Maduro se baseia em uma proposta do constitucionalista Hermann Escarrá, que participou do ato nesta quinta-feira, para reduzir o mandato dos deputados.

Segundo o jurista, Maduro tem a prerrogativa de apresentar a proposta diretamente ao Conselho de Ministros, "sem passar" pela Assembleia Legislativa.

"O artigo único desta emenda deve dizer: se reduz a 60 dias o período constitucional dos integrantes da atual Assembleia Nacional", declarou Escarrá.

As emendas constitucionais devem ser submetidas a referendo.

Maduro anunciou ainda a criação de uma "comissão da verdade", com o apoio do secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, em contraposição à anistia aos presos políticos.

"Vou pedir à comissão presidencial para promover a instalação da comissão da verdade, justiça e reparação das vítimas", afirmou Maduro no ato.

O Congresso aprovou uma lei de anistia que tem como objetivo tirar cerca de 76 pessoas da prisão, entre elas o opositor radical Leopoldo López. Em setembro passado, ele foi condenado a passar quase 14 anos atrás das grades, acusado de incitar a violência nos protestos de 2014, quando a população foi às ruas pedir a saída de Maduro.

AFP