Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

(afp_tickers)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apelou nesta terça-feira às Forças Armadas para que "lubrifiquem" os fuzis diante das ameaças de seu homólogo americano, Donald Trump.

"Estamos sendo ameaçados descaradamente pelo império mais criminoso que já existiu e temos a obrigação de nos preparar para garantir a paz", disse Maduro durante uma cerimônia na base aérea Libertador, na cidade de Maracay (norte).

Dois dias após Trump incluir a Venezuela na lista de países com restrições para viagens aos Estados Unidos, Maduro destacou que para obter a "prosperidade" é necessário "ter os fuzis, os mísseis e os tanques bem lubrificados, preparados (...) para defender cada palmo do território" venezuelano.

Trump já proibiu administrar nova dívida emitida pelo governo venezuelano e a estatal de petróleo PDVSA, e impôs sanções financeiras a Maduro e a cerca de 20 funcionários e ex-colaboradores.

Em agosto passado, Trump não descartou o uso da força para pressionar Caracas a restabelecer a democracia.

"O futuro da humanidade não pode ser o mundo das sanções ilegais, da perseguição econômica, assinalou Maduro, vestido com uma camisa verde oliva e uma boina militar.

O líder venezuelano pediu às Forças Armadas "máxima lealdade", enquanto centenas de soldados realizavam manobras terrestres e aéreas, incluindo um desembarque de tropas e combates corpo a corpo.

Aviões de fabricação russa sobrevoaram a base durante a cerimônia, na qual também desfilaram tanques, veículos blindados e mísseis.

"A Venezuela conta hoje com o sistema de mísseis mais moderno que as Forças Armadas já possuíram em sua história", destacou Maduro, em claro desafio a Trump, que chama o líder chavista de "ditador".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP