Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Nicolas Maduro em 30 de abril de 2017

(afp_tickers)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, convocou o alto comando militar, nesta sexta-feira (23), a fazer um esforço de adequação das forças da ordem para que "ninguém mais seja abatido" durante a onda de protestos da oposição que deixou 75 mortos em 12 semanas.

"Comecemos a adequar as forças da ordem pública, de que a pátria necessita, para que haja paz, paz com vida, e que ninguém mais seja abatido (...) É uma meta", declarou Maduro, em um ato com a cúpula da Força Armada transmitido pela emissora pública VTV.

Um manifestante de 23 anos faleceu na quinta-feira por disparos de um militar durante distúrbios diante da base militar de La Carlota, no leste de Caracas.

Segundo Maduro, o funcionário está sendo submetido "à lei". O ministro do Interior, Néstor Reverol, disse que já está "identificado", e foram iniciadas investigações para determinar sua responsabilidade.

Nesta sexta, a oposição bloqueou ruas e avenidas em Caracas e em outras cidades em repúdio pelo episódio, enquanto novos confrontos foram registrados em La Carlota, com a queima de caminhões de carga no perímetro da instalação.

Falando com as tropas, no Pátio de Honra do Ministério da Defesa, Maduro responsabilizou lideranças da oposição pela violência.

"Qual é a meta deles? (...) Que haja um morto aqui, um morto lá. É como um gotejar da morte", completou.

Seus adversários acusam militares e policiais de uma "selvagem repressão", mas o presidente defendeu a tarefa da Força Armada, que qualificou de "exemplar para o mundo inteiro".

AFP