Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em Caracas, no dia 17 de maio de 2016

(afp_tickers)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quinta-feira que, se "está louco, é por amor" à Venezuela, pela revolução bolivariana e pelo finado líder Hugo Chávez, ao responder a uma declaração do ex-presidente uruguaio José Mujica de que parece "louco como uma cabra".

"Estou louco como uma cabra sim, mas estou louco de amor pela Venezuela, pela revolução bolivariana, por Chávez e seu exemplo. Sim, estou louco como uma cabra, é verdade, ele tem razão. Louco de amor, de paixão por ser leal a Chávez", disse Maduro durante um discurso para militantes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Maduro declarou que "estar louco é dizer as coisas que é preciso dizer", reafirmando que o secretário-geral da OEA, o uruguaio Luis Almagro, é um traidor.

Na quarta-feira, Mujica disse que "estão todos loucos" na Venezuela, e que Maduro está "louco como uma cabra", ao reagir à dura polêmica entre o líder venezuelano e seu ex-ministro das Relações Exteriores e atual secretário da OEA.

Na véspera, Almagro disse que Maduro se transformará em um "ditadorzinho" se impedir o referendo revogatório promovido pela oposição contra seu mandato.

"Negar a consulta ao povo, negar a ele a possibilidade de decidir, te transforma em mais um ditadorzinho, como os tantos que o continente teve", escreveu Almagro em uma severa carta aberta.

A oposição venezuelana promove a realização de um referendo revogatório neste ano contra Maduro que, por sua vez, considera inviável a iniciativa e decretou o estado de exceção no país.

AFP