AFP

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, responsabilizou neste sábado o líder opositor Henrique Capriles pelos distúrbios e saques ocorridos nas noite de quinta e sexta-feira em Los Teques, estado Miranda, próximo a Caracas.

"Me coloco no lugar dos comerciantes (...). Grupos de delinquentes e vândalos por ordem do governador (de Miranda) Capriles em seu desespero golpista atacaram e destruíram seus estabelecimentos. Por que destroem seus negócios?", disse o presidente durante uma reunião de governo.

Nas noites de quinta e sexta-feira em Los Teques houve 14 saques, segundo o vice-presidente Tareck El Aissami.

Alguns usuários escreveram nas redes sociais que houve dois feridos por tiros na quinta-feira, mas a AFP não confirmou esse número. A Polícia de Miranda denunciou no Twitter que uma de suas sedes foi atacada com "pedras e coquetel Molotov" e que um policial foi ferido no pé.

"Tudo faz parte de um plano para desvirtuar o protesto legítimo de milhões de venezuelanos contra o golpe de Estado (...). Esse é o roteiro da narco corrupta cúpula madurista que nós venezuelanos conhecemos", escreveu Capriles em seu Twitter.

Há duas semanas a oposição protesta contra o governo de Maduro, depois que o Supremo Tribunal do país atribuiu para si as funções do Parlamento -de maioria opositora- e suspendeu a imunidade parlamentar.

Embora a corte tenha voltado atrás nessas decisões após uma forte pressão internacional, os opositores continuam protestando nas ruas, pela destituição dos juízes, poe eleições, pela liberdade dos "presos políticos", por um corredor humanitário e pelo respeito ao poder Legislativo.

Cinco pessoas morreram e 117 foram detidas nos protestos.

AFP

 AFP