Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto cedida pela Presidência venezuelana mostra o presidente Nicolás Maduro (D) e Abdelkader Bensalah, presidente do Conselho argelino da Nação, em Argel, em 11 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, fez nesta segunda-feira uma visita oficial de 24 horas à Argélia, com a questão do petróleo na agenda - tema sensível para estes dois países produtores - embora seu contraparte argelino, Abdelaziz Bouteflika, não tenha feito nenhuma aparição pública.

O programa oficial da visita não mencionava uma reunião entre os dois chefes de Estado, mas altos funcionários da Presidência argelina, questionados pela AFP, não descartaram essa possibilidade.

Bouteflika, de 80 anos, está muito debilitado pelas sequelas de um acidente vascular cerebral (AVC), ocorrido em 2013, e seu estado de saúde é fonte de constantes especulações na Argélia.

No meio do dia, o chefe de Estado venezuelano se encontrou com o presidente do Conselho da Nação (Câmara Alta), Abdelkader Bensalah, que o recebeu ao chegar ao país.

Entre os presentes estavam o primeiro-ministro, Ahmed Ouyahia, e o ministro de Energia do país, Mustapha Guitouni, segundo a agência nacional de notícia argelina APS.

De acordo com a imprensa presidencial venezuelana, a reunião se concentrou, sobretudo, no acordo petroleiro assinado em 2016, pelo qual a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e os Estados produtores que não são membros do cartel se comprometeram a reduzir as extrações até março de 2018 para limitar a oferta no mercado mundial e tentar recuperar os preços do barril.

O presidente Maduro considerou, após este encontro, que "existe um clima favorável à política do justo preço do ouro preto", segundo declarações fornecidas pelo governo venezuelano.

A cooperação bilateral entre Argel e Caracas no setor petroleiro também esteve na agenda dos diálogos, indicou a mesma fonte.

O programa oficial não mencionava nenhuma outra atividade, entre um almoço previsto e um jantar oficial com o primeiro-ministro, o que suscitou questionamentos sobre uma possível reunião com Bouteflika.

Maduro deverá deixar a Argélia nesta segunda à noite, depois de chegar ao país no domingo à noite, em seu caminho de volta de Astana, onde participou de uma cúpula de chefes de Estado da Organização de Cooperação Islâmica, a título de presidente em exercício do Movimento dos Países Não-Alinhados.

Esta é a segunda visita de Maduro à Argélia, após uma viagem em 2015, centrado também no comércio de petróleo. Seu antecessor, Hugo Chávez, fez quatro visitas oficiais: em 2000, 2001, 2006 e 2009.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP